De

A ciência insana por trás do que acontece com seu cérebro durante o orgasmo

Por décadas, os cientistas têm certeza de que o cérebro desempenha um papel importante na obtenção do orgasmo, mas pouco se sabe sobre quais partes do cérebro estão envolvidas. Eles se perguntavam, por exemplo, se havia um 'centro de orgasmo' único no cérebro responsável por esse maravilhoso ponto de clímax (spoiler: não existe).

Um dos cientistas que lidera o caminho é Janniko Georgiadis (PhD) pela Universidade de Groningen, na Holanda. Desde o início dos anos 2000, Georgiadis e sua equipe usam scanners de tomografia por emissão de pósitrons (PET), um dispositivo de neuroimagem semelhante a uma máquina de ressonância magnética, para rastrear a atividade cerebral antes, durante e após o orgasmo.

Eles descobriram que muitas partes do cérebro trabalham juntas para criar os distintos estados mentais e respostas fisiológicas que ocorrem durante a excitação e o clímax. Eles também descobriram que a compreensão de quais partes do cérebro desligam é tão importante quanto quais estão ativas.





É importante observar que existem limitações para esses estudos. A tecnologia ainda não está avançada o suficiente para nos permitir espiar o cérebro durante um encontro sexual natural. Longe do ambiente mais confortável do quarto, os voluntários se deitam nas camas dos scanners e usam a mão amiga de um parceiro para atingir o orgasmo.

Os estudos perdem o que acontece com o cérebro que antecede o sexo, como durante as preliminares. Em vez disso, o mapeamento cerebral começa com a estimulação das áreas genitais e vai além do ponto do orgasmo que, para os fins dos estudos, é definido como o momento da ejaculação nos homens e espasmos involuntários dos músculos pélvicos nas mulheres.

Limitações à parte, o que os estudos revelam sobre a atividade cerebral durante um orgasmo é fascinante e ajuda bastante a entender o que está acontecendo quando atingimos esse exuberante pináculo de prazer.

Seu cérebro pré-orgasmo

A estimulação genital ativa a parte do lobo parietal conhecida como córtex somatossensorial secundário (SII), que interpreta o toque. Um estudo teoriza que o SII é responsável por rotular a qualidade da sensação, como se é um toque sexual ou não. (Georgiadis, 2006)

À medida que a excitação se intensifica, o fluxo sanguíneo diminui para as áreas pré-frontal e temporal, como a amígdala e o córtex pré-frontal ventromedial (vmPFC), que nos ajudam a processar emoções, medo e risco - todas as partes importantes do pensamento cognitivo e da tomada de decisão (Georgiadis, 2011).

Em outras palavras, retarda a parte do cérebro que faz a maior parte do pensamento e análise cognitivos.

Durante um estado de extrema excitação, o fluxo sanguíneo aumenta para o cerebelo, que interpreta as sensações físicas da área genital. O cerebelo desempenha um papel importante no processamento emocional. (Georgiadis, 2006, 2007, 2011)

Seu cérebro durante o orgasmo

O cerebelo permanece ativo durante o orgasmo e pode desencadear contrações musculares involuntárias. Da mesma forma, a medula oblonga é ativa quando os homens ejaculam. A medula oblonga é uma parte do tronco cerebral responsável por movimentos involuntários (Georgiadis, 2007).

Anteriormente, os cientistas acreditavam que a área tegmentar ventral (ATV), uma peça crucial do sistema de recompensa do cérebro e a via da dopamina, desempenhavam um papel importante no orgasmo. Mas, em vários estudos, Georgiadis descobriu que a ATV era tão ativa quando alguém imita as sensações físicas de um orgasmo (contrai os músculos do assoalho pélvico) ou é estimulada sem o clímax.

Basicamente, nossos corpos liberam dopamina ao longo de uma experiência sexual, o que faz com que se sinta bem, se realmente chegamos ao clímax ou não. (Georgiadis, 2006 e 2007).

A chave entre as descobertas dos estudos é a dramática perda de fluxo sanguíneo no córtex orbitofrontal (OFC) durante o orgasmo. O OFC trabalha para rastrear a causa e o efeito de várias atividades quando você está em busca de prazer. Por exemplo, o OFC é ativado quando você come além da plenitude e se sente desconfortável.

Georgiadis teoriza que o OFC deve ser desligado para alcançar esse sentimento pungente de estar 'fora de controle' durante o orgasmo.

Curiosamente, o OFC é acionado quando alguém tenta atingir o orgasmo e falha, assim como quando alguém tenta ativamente não comparecer (Georgiadis, 2011 e 2006b). Isso parece indicar que nos perdemos em toda a experiência.

Embora a supressão da atividade cerebral no OFC tenha sido fundamental para Georgiadis e sua equipe, outros estudos encontraram contraditoriamente um aumento da atividade no córtex pré-frontal onde o OFC está alojado (Whipple, 2008).

Pós-orgasmo

Após um orgasmo, as partes frontal e temporal do córtex cerebral envolvidas na tomada de decisão e no pensamento moral voltam a funcionar. Voltamos ao nosso pensamento, nós lógicos - não mais sob o feitiço da excitação sexual.

A outra área mais ativa do cérebro é o hipotálamo, que produz ocitocina e dopamina e estimula a ligação entre os parceiros (Georgiadis, 2011).

Sumário

Como Georgiadis observa em um de seus artigos, 'o estudo de como o cérebro produz orgasmo ainda está engatinhando' (Georgiadis, 2011), e ainda há muito a descobrir. Pesquisas desse tipo têm usos práticos, como descobrir as causas da anorgasmia (incapacidade de atingir o orgasmo) ou outras disfunções sexuais.

Estudos Utilizados:

Georgiadis, Janniko R., Rudie Kortekaas, Rutger Kuipers, Arie Nieuwenburg, Jan Pruim, A. A. T. Simone Reinders e Gert Holstege. Alterações regionais do fluxo sanguíneo cerebral associadas ao orgasmo induzido por clitóris em mulheres saudáveis. European Journal of Neuroscience24, n. 11 (2006): 3305-316. doi: 10.1111 / j.1460-9568.2006.05206.x.

Georgiadis, Janniko R., A.a.t. Simone Reinders, Ferdinand H.c.e. Van Der Graaf, Anne M.j. Paans e Rudie Kortekaas. Revisitada a ativação cerebral durante a ejaculação masculina humana. NeuroReport18, n. 6 (2007): 553-57. doi: 10.1097 / wnr.0b013e3280b10bfe.

Whipple, B. “Ressonância Magnética Funcional (FMRI) durante o orgasmo em mulheres.” Sexologias17 (2008). DOI: 10.1016 / s1158-1360 (08) 72639-2.

Georgiadis, Janniko R. “Expondo o orgasmo no cérebro: um olhar crítico”. Terapia Sexual e de Relacionamento26, n. 4 (2011): 342-55. doi: 10.1080 / 14681994.2011.647904.

| DE | AR | BG | CS | DA | EL | ES | ET | FI | FR | HI | HR | HU | ID | IT | IW | JA | KO | LT | LV | MS | NL | NO | PL | PT | RO | RU | SK | SL | SR | SV | TH | TR | UK | VI |